quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

kings of leon @ DC



Quero falar pra vcs do show do Kings of Leon que assisti em Washington DC. Tudo bem que hoje faz exatamente um mês (foi no dia 10 de novembro), mas ainda acho válido, já que se trata mais de emoções do que de qualquer outra coisa, certo?

Pois bem, tinha assistido aos caras num longínquo 2005, numa época em que o Tim Festival ainda era confiável e acessível. E acho que seria impossível revê-los aqui no Brasil da mesma forma. Em três anos, muita coisa mudou e a banda evoluiu. Naquela época, lembrem-se, eles abriam para o Strokes (oi? quem?). Conversando com um gringo na porta do show e comentando sobre a primeira vez que os assisti, ele prontamente me respondeu: "Nossa, mas naquela época eles nem eram famosos!". Pois é. Pode ser que pra ele não. Pode ser que para os Estados Unidos não.

O lugar do show não poderia ser melhor. Pequeno, bem organizado e com uma ótima acústica, o Constitution Hall, no centro da cidade, fica ao lado dos monumentos, museus e memoriais famosos de DC. Naquele dia 10, 3,700 pessoas (capacidade máxima e ideal do lugar) tinham seus lugares prontamente reservados. Reservado era também o público. Eitcha, povinho desanimado! Pode até ser que eu estivesse empolgada demais (especialmente depois de algumas Bud Lights - rs), mas era engraçado ver que a galera só se animava, de verdade, durante os solos!

Depois de umas horas de espera, com duas bandas de abertura (ai, esqueci os nomes, nem eram tão boas), eles entraram no palco com Closer, boa faixa que abre também o último cd, Only by The Night. O set list inteiro, acreditem, foi impecável. E fiquei feliz de ver uma mescla bem feita de todos os quatro cds. Crawl, My Party, Molly's Chambers, Sex on Fire, Use Somebody, On Call, Slow Night, So Long. Uma atrás da outra. Por duas horas. Sem fôlego. Demais!

E o bis foi especial. Caleb voltou sozinho ao palco escuro, iluminado só por um spotzinho amarelo. Começaram os acordes da primeira parte de Knocked Up, que é pra mim uma das músicas mais fueda deles. Depois, para completar os sete minutos de música, Jared, Nathan e Matthew voltam ao palco, iluminado novamente, e foi emocionante. Pra fechar a noite, Manhattan, Charmer e Black Thumbnail. Quer mais alguma coisa?

Set completo:
Closer, Crawl, My Party, Razz, Molly's Chambers, Taper, Jean Girl, King of The Rodeo, Sex On Fire, Fans, Revelry, Milk, Four Kicks, The Bucket, McFearless, Use Somebody, On Call, Cold Desert, Slow Night, So Long. BIS: Knocked Up, Manhattan, Charmer, Black Thumbnail.

4 comentários:

Ricardo disse...

De Taubaté para o Mundo....

Ana Luísa disse...

delícia de texto, cá. eu também estive naquele longínquo tim festival e imagino como deve ter sido a diferença entre um show e outro. e, putz, knocked up ao vivo! sensacional, hein? da set list, senti falta de california waiting, que acho tão, tão bonitinha... beijos. :)

Ana Luísa disse...

delícia de texto, cá. eu também estive naquele longínquo tim festival e imagino como deve ter sido a diferença entre um show e outro. e, putz, knocked up ao vivo! sensacional, hein? da set list, senti falta de california waiting, que acho tão, tão bonitinha... beijos. :)

Camila Alam disse...

Pois é! Faltou California Waiting mesmo! Mas foi tão legal que posso até imaginar eles tocando essa! haha
bjos