quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

anni e josef albers



Durante as décadas de 1930 e 1960, os alemães Anni e Josef Albers viajaram à América Latina mais de quinze vezes. Passando por lugares como Cuba, Peru, Chile e México, o casal, formado pela Escola Bauhaus de Design, adequou a cultura desses países à sua própria arte.

Anni, desenhista, tecelã e escritora, buscou inspiração andina para criar estampas e colares. Sua experiência, detalhadamente descrita em diários, também gerou On Weaving (Na tecelagem), livro que dedica aos tecelões do Peru antigo, segundo ela, seus grandes professores. Josef, que dedicou boa parte de sua vida ao estudo das cores, deve também a essas viagens muitos dos frutos de sua carreira como pintor.

O resultado dessa junção chega a São Paulo em duas grandes exposições. A Pinacoteca do Estado apresenta, desde o sábado 17, Anni e Josef Albers – Viagens pela América Latina, uma reunião de 250 trabalhos que evidenciam esta influencia na produção do casal, sob curadoria de Brenda Danilowitz.

A obra mais conhecida de Josef Albers, Homenagem ao quadrado, fica exposta no Instituo Tomie Ohtake, na mostra Cor e Luz. Ao todo, 45 telas formam um estudo de cores, de composição simples, que tem como objetivo explicitar a percepção de tons, seus contrastes, luminosidade e autonomia.

1 comentários:

K. disse...

As duas exposições são bem interessantes, né? Mas quem vai primeiro à Pina acaba achando a que está no Tomie Ohtake bem mediana. Gostei do seu blog. Voltarei. Beijos!