segunda-feira, 26 de maio de 2008

a volta de marjane satrapi

Na série de quadrinhos auto-biográficos Persépolis, a iraniana Marjane Satrapi narrava a sua vida em quatro bem-sucedidos volumes, mais tarde transformados em filme. (Já falamos deles por aqui.)

Agora, a quadinista volta às livrarias para contar uma outra história, não tão particular, mas também nem tão distante. Em Frango com Ameixas (Cia das Letras, 88 págs, R$ 32), o protagonista é Nasser Ali, seu tio avô. Músico, pai de quatro filhos e infeliz.

Após uma briga conjugal, sua esposa quebra ao meio seu tar, instrumento persa semelhante a um violão, presente de um antigo mestre. Sem conseguir achar um instrumento de igual qualidade e negando-se a extrair notas de qualquer pedaço de madeira, Nasser não enxerga mais propósito na vida. Encurralado em seu quarto, repensa sua trajetória enquanto percebe que talvez não tenha tomado o caminho certo. E então, decide morrer. É quando o leitor descobre o que se passou na cabeça e na vida desse homem, durante os oito dias que ficou em casa, esperando a morte.

A narrativa de Frango com Ameixas segue a mesma linha emocional de Persépolis, uma mistura agridoce de emoções combinadas com o simples, quase feio - ops, desculpa dizer - traço de Marjane. A auto-exposição é um atrativo nesse tipo de HQ, ainda mais quando se tem uma família tão peculiar. Mas acima de tudo, o que encanta em Marjane é o saber contar uma boa história.

1 comentários:

maluzitcha disse...

mto massa.. uma bela coletanea de assuntos muy bacanas ;)bj!