quarta-feira, 8 de abril de 2009

o show do kiss e o palavrão



Acho que todo mundo que usa a internet já deve ter recebido aquele e-mail onde os palavrões ganham diferentes significados, dependendo da situação em que são empregados.

Ontem à noite, durante o show do KISS, tive a mais clara certeza de que, em momentos de grande emoção, realmente nada, mas nada, pode expressar melhor um sentimento do que um palavrão. E dos grandes. E dos bons! Daqueles que a gente enche a boca pra falar. Não é bom? Eu acho.

Cheguei atrasada no show. Perdi quase 40 minutos de apresentação e a abertura do Dr. Sin (sim, eles ainda existem!). Mas ainda assim, posso afirmar: que showzaço! Muita luz, muita fumaça. Muito fogo, muitos fogos e explosões. Sim, a gente se contenta com pouco. Com o clássico. Com o pretinho básico. E o básico, quando se trata de KISS, é isso. Muita energia, muitos riffs, muitos berros e palavrões. E palavras de amor também. Paul Stanley que o diga! We love you too, darling!

O KISS é cheio de carisma. É lindo ver Stanley, Gene Simmons e Tommy Thayer empolgadíssimos, lado a lado, embalados na dancinha rock n' roll. É lindo ver Eric Singer fazendo um solo monstro de bateria sem entediar a audiência. A banda ama o Brasil, Stanley estava emocionado e não parava de repetir isso. Nós, o Army Kiss, lá embaixo, retribuíamos. Stanley dizia: "Acho que vou descer aí, me segurem!"... E lá vem ele, pela tirolesa, guitarra na mão, braços pra cima e língua pra fora. Anhembi veio a baixo! Mais palavrões vindos da platéia.

Ao anunciar sua música mais famosa, e talvez uma das mais famosas da história do rock, a banda deu um dos espetáculos mais bonitos que já presenciei em shows de rock. No telão, as palavras "I wanna rock n' roll all nite" eram o presságio. Nos primeiros acordes, as luzes bombavam, a galera pulava e muitos, mas muitos, confetes foram jogados em cima do público, junto a uma extensa cortina de fumaça. O fogo emergia do palco. Pequenas lâmpadas, que formavam a palavra KISS, brilhavam no ritmo da música. Emoção, muita emoção! Palavrões, que lindo! Depois, o silêncio. Era preciso para recuperar a energia perdida em tamanha catarse.

Após cinco minutos, eles voltaram. E o bis, oh god, o bis foi insano! Shout It Out Loud, Lick It Up, I Love It Loud, I Was Made for Lovin' You, Love Gun e por fim...Detroit Rock City! São Paulo é, sem dúvida, uma rock city. E das boas! Ao apagarem as luzes novamente e uma quantidade imensa de fogos de artifício iluminarem o céu da cidade, não me contive e lancei também o meu: C*ralho!

p.s- Não tenho fotos, mas no UOL tem umas ótimas. A que abre este texto também é de lá.

5 comentários:

Gabì disse...

Me senti no show!!!! PQP (já que podemos falar palavrões) não podia ter perdido esse...

Fábio disse...

f*da o post cá! p*ta que pariu, eu falei muito palavrão em 99 tbm!hahaha

Camila Alam disse...

é inevitável! rs

Anônimo disse...

Oi Mi....

Eu não fui ao Kiss....mas do da forma como voce contou, ah tenho certeza que eu vi......rs.

bjos
t amo
katia

Jean disse...

Putz, eu estava lá e realmente foi tudo isso que vc descreveu, bandas fazem concertos..., Kiss faz um show!!!